Por onde passou, dona Ivone Lara, andou ao lado dos melhores. Formou-se enfermeira em uma época em que era ruptura mulher estudar. Braço direito de Nise da Silveira (principal nome da luta antimanicomial do Brasil).

Dona Ivone Lara e Alcione em imagem de arquivo


Criou família superou dificuldades, até desquitar, vejam só, desquitou. Quando parecia tarde, decidiu tocar sua arte. Já com 56 anos de idade foi fazer samba para falar com o povo.




Ousou e foi a primeira mulher a participar de uma ala de compositores de uma Escola de Samba. Como sempre andou bem acompanhada, com o mestre Silas de Oliveira venceu o desafio e pôs um samba seu na avenida.





Gênia vinda do povo, cria do verde da Serrinha (Império Serrano), um verdadeiro exemplo da intelectualidade periférica.



Quem viu Ivone cantar, viu poesia pairar no ar. Viva, Rainha Ivone Lara! E já que andou ao lado dos melhores por toda vida, a sua coroação em nosso desfile não poderia ser diferente...

Alcione

Do Nordeste vem a mais elegante cantora de samba do nosso país. Mantém viva as ricas tradições do nosso querido Maranhão, sua terra natal. Com a batida do tambor, faz o Bumba meu Boi se juntar ao samba. No sincretismo religioso, une o tambor de mina à fé pelo Santo Guerreiro.



Porta voz do amor dos casais apaixonados e dona do dom de confortar corações feridos por paixões com triste final. Voz única para falar sobre esses temas. E por falar em amor, seu coração é rosa. Pulsa no ritmo do Surdo Um da Estação Primeira. Fez cumprir o legado do termo escola de samba ao criar Mangueira do Amanhã. Lá o samba se aprende desde cedo.

Junto de Ivone lhe coroamos, Alcione. Somos seus súditos e como mandastes não deixaremos o samba morrer. Afinal de contas, não há forma melhor de se falar com o povo como nessa nossa arte.




Dona Ivone Lara e Alcione são homenageadas pela Tom Maior no Carnaval 2020 em uma das alas, na noite de 21 de fevereiro.

Modelo da fantasia na ala com homenagem a Dona Ivone Lara e Alcione


É coisa de preto


Em 2020 a Tom Maior apresentará o enredo: “É coisa de Preto”, quando será a segunda escola a desfilar na sexta-feira, dia 21 de fevereiro, no Sambódromo do Anhembi, pelo Grupo Especial paulistano.

"É Coisa de Preto" é um enredo afirmativo, que mostra que a contribuição de negros e negras para a formação de nossa nação vai muito além do estereótipo. Nosso desfile mostrará como os africanos se tornaram afro-brasileiros e trouxeram sua contribuição não só física, mas (principalmente) intelectual no desenvolvimento de nossa sociedade.





Líderes, estudiosos, escritores, poetas, artistas populares e eruditos, transgressores sociais... Personagens que o preconceito insiste em ofuscar de nossa história, mas que devem ser trazidos aos holofotes para o devido reconhecimento, e também para inspirar as novas gerações.

Como participar do Carnaval 2021

O carnaval na Tom Maior começa bem antes de fevereiro, muito antes de janeiro. O carnaval do ano posterior é algo que começa o fim do desfile e devi6do a esse esmero na produção e realização, é importante que todos sejam participativos, engajados e afinados!

É importante é participar do máximo de ensaios e eventos possíveis, principalmente os técnicos em Janeiro e Fevereiro.

Desde abril de 2019 a Tom Maior abriu o contato com os interessados em participar dos desfiles. Milhares de pessoas já asseguraram sua participação no desfile que acontece na noite de 21 de fevereiro. Agora a poucos dias da apoteose do Carnaval 2020, a agremiação abre lista de espera para interessados ocuparem possíveis vagas em alas.




Para conferir as disponibilidades, basta ACESSAR AQUI. Os interessados em participar de possíveis vagas desistentes para o Carnaval 2020 e preencher os dados no formulário, poderão também ser os primeiros a serem alocados nas alas do Carnaval 2021.

Comente

Postagem Anterior Próxima Postagem